Seminários & Workshops

mini-logo  AAPSI - Associação Angolana de Provedores de Serviços de Internet

Portuguese Chinese (Simplified) English French Spanish

--/--

 

Terminou a Conferência & Workshop AONOG2016 “empreendedorismo na sociedade digital”

A Associação Angolana dos Provedores de Serviços de Internet (AAPSI) organizou em Luanda, de 24 a 28 do corrente mês de Outubro, dois workshops e uma conferência, no âmbito da plataforma AONOG.

Tanto workshops quanto a conferência tiveram como objectivos e públicos alvos: (Continua...)


a) Objectivos
Capacitar quadros do Sector das Tecnologias de Informação e Comunicação;
Auxiliar estudantes que planeiam desenvolver carreiras futuras na área das TICs;
Integrar profissionais de empresas de telecomunicações em redes de relações que agregam valor aos seus conhecimentos sobre o seu sector de actuação;
Criar momentos de partilha de conhecimentos entre os diferentes profissionais, em especial, engenheiros de rede e gestores de sistemas, no geral;
Formar formadores em TICs, em torno de cada temática anual.

b) Públicos alvos
Definiu-se como público alvo ao AONOG 2016, alinhado à estratégia de capacitação de actores nacionais os seguintes:
Trabalhadores do Sector das TICs;
Empresas de telecomunicações;
Empresas vendedoras de soluções de tecnologias de informação;
Administradores de redes e gestores de sistemas;
Reguladores das TICs;
Líderes e experts em TICs;
Estudantes que planeiam trabalhar em redes e administração de sistemas.

A abertura dos workshops foi presidida pelo Presidente da AAPSI, Engº Sílvio Almada, ao passo que a Conferência AONOG, que decorreu sob o tema “Empreendedorismo digital em Angola”, teve a cerimónia de abertura encabeçada pelo Director Nacional das Telecomunicações, Eng. Eduardo Sebastião, em representação do Secretário de Estado, Pedro Teta, inicialmente indicado para actuar em nome de Sua Excelência o Ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Comunicação, José Carvalho da Rocha.
O Director Nacional das Telecomunicações sublinhou, na sua alocução, que o Executivo Angolano continua a executar um programa ambicioso de infraestruturação do país, que conta já com mais de 22 mil quilómetros implantados em cabos de fibra óptica e conta com a cooperação dos provedores angolanos de serviços de internet como actores auxiliares do Governo na criação da sociedade digital de informação à nível nacional.

2. Trabalhos
O AONOG 2016 abriu com o workshop sobre routing & switching, nos dias 24 e 27, nas instalações do ISUTIC, com a capacitação de 20 participantes, tendo como formadores Cláudio Oliveira e Edimilson Mendes Pascoal, ambos representando a empresa Velonet, numa parceria com a AAPSI.
À semelhança da primeira formação, nos dias 26 e 27, também foi capacitado um novo grupo, este compreendeu igualmente 20 participantes, treinados na utilização da tecnologia LINUX. A acção formativa foi animada pelos professores José Ramon Fernandes e Valeriano Messele Marcelino, em representação do ISUTIC.
Entretanto, sexta-feira, dia 28 de Outubro, decorreu, na Sala de Conferências do ISUTIC, a Conferência AONOG 2016, cuja abertura foi antecedida pela entoação do hino nacional e pelos pronunciamentos dos Engºs João Leão (Director Geral do ISUTIC, a quem couberam as palavras de boas vindas como anfitrião) e Sílvio Almada (Presidente da AAPSI, pronunciamento pela organização) e Eduardo Sebastião (Director Nacional das Telecomunicações), o discurso de abertura.
A Conferência, que contou com aproximadamente 120 (cem) participantes, entre convidados e inscritos ao evento, compreendeu quatro sessões temáticas.
Com efeito, a primeira sessão moderada pelo Dr. Aires Veloso, teve como tema central “Governação, Regulação e Políticas” e contou com as prelecções Dr. Dawit Bekele ( Director Geral do ISOC em Africa, que, ausente, teve a comunicação em power point apresentada pelo Consultor de TI da Velonet Cláudio Oliveira), “modelo e políticas de governação de domínio AO”, pelo Engº António
Kizidioko (em representação do Prof. Doctor João Teta, administrador do Domínio .AO) e “Governação electrónica E-Gov”, pelo Eng°. Manuel Homem (Director Geral do INFOSI).
A segunda sessão, centrada no tema de Protecção e segurança de dados, com a moderação do Eng. Dimonekene Ditutala , teve as seguintes exposições: “E-commerce “ (pelo Sr. Miguel Martins, Director Geral da Jumia House Angola); “Segurança no e-commerce” (pelo Eng°. Edilson Silva DTI-Sonangol) e “Segurança no E-Banking “ pelo Eng°. Heitor Miguel, do SETIC-FP).
Entretanto, a terceira sessão abordou o tema “ Empreendedorismo e dinâmicas de mercado”, tendo a moderação a cargo do Eng. Darwin Costa e as apresentações “Marketing Digital “ (pelo Eng°. Miguel Soares; UNITEL) e “Internet Banking” (pelo Engª. Mejidy Matos, da EMIS).
A sessão quatro, a última da conferência, tratou sobre Start-ups & cases, com a apresentação de um simulador de Negócios Online, em demonstração de um novo paradigma digital de negócios, numa comunicação conduzida pelo Mestre N'Dongala Garcia (Professor Universitário) e o concurso dos estudantes da Universidade Lusíadas que têm sido treinados, em plataforma virtual, na gestão de negócios cujas habilidades serão necessárias na sua vida diária depois da formação universitária.
O encerramento da conferência esteve a cargo do Presidente da AAPSI, Eng. Sílvio Almada que agradeceu o apoio dado e celebrou o momento com a apresentação de toda a sua equipa que esteve na organização do evento.

3. Resultados
No cômputo dos cincos dias de trabalho foram gerados os seguintes inferências e recomendações:

a) Sobre as acções de formação em Routing & Switching e tecnologia LINUX
Foram treinados 40 (quarenta formandos), como beneficiários directos da iniciativa, tendo os mesmos manifestado satisfação pela qualidade e oportunidade de treinamento. Formadores notaram também o elevado engajamento e potencial dos mesmos. Nos futuros eventos AONOG, projecta o aumento das turmas para o benefício de um maior numero de formandos.

b) Sobre a Governação, Regulação e Políticas
Painelistas reconheceram:
O Executivo continua a investir em infraestruturas, notavelmente com resultados tangíveis nos 22 mil quilómetros de fibra óptica já implantada no País;
Decorrem, satisfatoriamente, esforços de regulação, em decreto, da Plataforma Angolana de Interoperabilidade, estando já o dossier com a Assembleia Nacional;
A cidadania digital e interactividade, em realidades cada vez mais digitais, continuam a ser perseguidas pelo Executivo no âmbito do E-gov;
Um total de 554 entidades registaram domínios AO, entretanto apenas 27% destes utilizam efectivamente os mesmos;
Com a operacionalidade do AONOG, acaba de ser estabelecida numa plataforma de criação de iniciativas conjuntas de capacitação de quadros, que deve ser encorajada, entre a AAPSI e o ISOC;
Países africanos, especialmente Angola, devem fomentar a implementação do IPv6, para garantir o crescimento sustentável da Internet tendo em conta o esgotamento do IPv4.

c) Sobre a protecção e segurança de dados
Comunicadores notaram:
A necessidade de se encarar a informação como um activo, seja em instituições públicas, seja em organizações empresariais privadas;
Uma maior atenção deverá ser dada aos modelos de certificação de segurança de websites, sempre que se acedam a eles, para evitar o roubo de dados especialmente quando se colocam situações de pagamentos online nos quais se requerem a digitalização de dados pessoais;
Melhoria dos mecanismos de controlo de dados internos das instituições e organizações, classificando naturezas específicas temáticas, bem como a redução e identificação de responsáveis que podem aceder a eles;
Notada necessidade de criação, pelas instituições públicas e privadas, de equipas internas de lida contra incidentes.

d) Sobre empreendedorismo e dinâmicas de mercado
Prelectores e conferencistas afirmaram:
A economia digital está presente e é uma realidade que nos envolve, sendo que a ausência de instituições e corporações angolanas no mundo digital, por autoexclusão, seria o maior dos perigos;
Existe, notadamente, elava penetração dos smartphones em Angola (35% dos acessos mobile), superando, nesta vertente digital, muitas realidades africanas;
Necessidade de tomada de consciência de que os angolanos já estão integrados ao BIG DATA, quer queiram quer não à medida em que acedem à Internet, expondo os seus dados e sendo, por via disso, conhecidos os seus interesses pelos temas que mais procuram, enquanto consumidores de informação. Na verdade, esta informação é transformada em conhecimento e este conhecimento é integrado nas estratégias empresariais que levam a respostas mais eficazes, nas campanhas de marketing digital, à responder às necessidades de consumidores cada vez mais interactivos;
A realidade digital exige, no âmbito de comunicação nas plataformas digitais, maior flexibilidade e rapidez por parte das instituições e organizações angolanas;
Diante as oportunidades que se abrem com o universo digital, torna-se necessário que empreendedores angolanos corram riscos calculados de investimento , como analisado no simulador de negócios.

4. Recomendações e conclusões
Participantes quer aos workshops quer à Conferência AONOG 2016 recomendaram que:
o Executivo continue com os esforços de transformação de Angola numa verdadeira sociedade digital;
a UNINet-UAN trabalhe no sentido da motivação das entidades que adquiriram o domínio AO (51%) possam operacionalizar os referidos domínios;
a AAPSI continue a trabalhar com ISOC e outros parceiros na continuidade da capacitação de quadros angolanos através da plataforma AONOG;
entidades e operadores de serviços de internet adiram ao IPv6 para alargamento da sua capacidade de resposta às futuras demandas da Internet, contactando para o efeito a AAPSI;
instituições públicas e privadas criem, no âmbito das suas políticas de protecção de dados, equipas internas de incidentes, como corpus de alerta à violações de sigilo de informação e protecção de dados;
instituições e empresas angolanas sejam flexíveis e dinâmicas ao abraço às oportunidades geradas pelo mundo digital e aproveitem implantar iniciativas empresariais aproveitando os níveis de penetração de smartphones;
iniciativas como o simulador de negócios possam ser implantadas em mais universidades angolanas, permitindo que estudantes, sobretudo os ligados às áreas de negócios, sejam experimentados em matérias de gestão e liderança organizacional, estudos de mercado e planeamento estratégico, que sejam diferenciais para a vida prática pós-universitária.

Pelos conferencistas.

Luanda, aos 28 de Outubro de 2016

Pode clicar aqui para ver os Slides e as fotos da Conferência.